Despacho do Projeto de Autonomia e Flexibilidade Curricular

Download do documento (PDF, 550KB)

Seguir:
arlindovsky
Seguir:

Latest posts by arlindovsky (see all)

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2017/07/despacho-do-projeto-de-autonomia-e-flexibilidade-curricular/

18 comentários

1 ping

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • carvalho on 4 de Julho de 2017 at 22:12
    • Responder

    A carga horária de Educação Física no ensino secundário , do curso Científico – Humanísticos passa para 150. Era de 180 por semana. Menos 30 m no horário de cada professor? E nas outras disciplinas também parece que reduziram a carga horária. Estarei a ver bem?

      • antonio cruz on 5 de Julho de 2017 at 0:33
      • Responder

      olhe que não colega, no 139 já vinha com 150 min como tempo mínimo, quando aplicados tempos de 45 min é que se ajustava a 180 utilizando 30 min sobrantes

      • mario silva on 5 de Julho de 2017 at 2:56
      • Responder

      exsitem menos minutos semanais em algumas disciplinas e anos de escolaridade…(por ex., CN e FQ agoram têm 270 mins no 7º e na tabela aparece 250 mins)

    • Agnelo Figueiredo on 4 de Julho de 2017 at 23:06
    • Responder

    Note-se que isto é apenas para turmas de escolas que aderiram à experiência.

      • Filoctetes Argonauta on 4 de Julho de 2017 at 23:14
      • Responder

      Agnelo, tu ,que és diretor, explica lá como se vai implementar isto.

      • Mafalda Luna on 5 de Julho de 2017 at 21:21
      • Responder

      Boa noite,
      Será que consegue esclarecer o seguinte: as escolas que não aderiram à experiência terão alunos de 3º e 4 º anos com 27 horas letivas (25+inglês) porque se regem pelo dec-lei 176/2014 e as que aderirem terão alunos dos mesmos anos com menor carga letiva? Assim, será profundamente injusto!
      Obg

        • Agnelo Figueiredo on 6 de Julho de 2017 at 0:42
        • Responder

        Olá Mafalda.
        Eu era capaz de dizer que sim, isto é, que apenas os alunos das turmas indicadas pelas escolas aderentes, estarão vinculados a esta matriz. Mas, que sei eu…

        • Agnelo Figueiredo on 6 de Julho de 2017 at 0:45
        • Responder

        Mafalda, voltei para lembrar que a questão dos intervalos não tem nada a ver com este projeto de flexibilização. Isso é para todos.

      • José Carlos on 5 de Julho de 2017 at 21:38
      • Responder

      …pois isto é só para os diretores que querem ficar bem na”fotografia”…
      Isto à custa do trabalho extra das cobaias, alunos e professores.

        • Agnelo Figueiredo on 6 de Julho de 2017 at 0:44
        • Responder

        Isso é algum trauma?

    • Agnelo Figueiredo on 4 de Julho de 2017 at 23:30
    • Responder

    Bom, ainda não sei para ensinar. Amanhã vou ver se aprendo mais.

    • Elisabete Rodrigues Tavares on 5 de Julho de 2017 at 11:22
    • Responder

    De acordo com a minha interpretação (que não sei se é a correta) as 22,5 serão no horário do professor que, supostamente, terá de estar com os alunos durante os intervalos. O horário dos alunos continua com as 25 horas. Não foi dito que o horário dos alunos seria reduzido. O professor titular não pode ficar com todas as componentes do currículo. O que cada agrupamento terá de fazer, penso eu, é encontrar outros professores para “tomar conta” das 2,5 que o professor titular não poderá dar (porque a circular diz que não pode haver lugar a horas extraordinárias). No 3.º e 4.º ano 2 horas já estão resolvidas porque os alunos têm inglês. Ficam pendurados 30 minutos. Esses é que não sei a quem atribuir. No 1.º e 2.º ano há a possibilidade de “utilizar” professores envolvidos em projetos ou os professores de apoio educativo. É uma ideia. Com a matriz atual, há ainda a oportunidade de alargar o tempo de AEC. Acabar mais cedo, não se pode porque não houve alteração no horário de funcionamento dos estabelecimentos. Aumentar a hora de almoço, não sei se é boa opção porque há dificuldades na supervisão destes tempos devido à falta de assistentes operacionais. Para estas “pequeninas” mas “aborrecidas” questões, eles dão-nos autonomia.

    • Luis Torre on 5 de Julho de 2017 at 11:52
    • Responder

    É para aplicar em todas as escolas e em todos os anos?


  1. Arlindo,
    pode apresentar uma comparação da «Matriz curricular-base» deste projeto de autonomia e flexibilidade curricular (em regime de experiência pedagógica) e a atual Matiz curricular (para se perceber as alterações)? Obrigado.

      • antonio cruz on 5 de Julho de 2017 at 23:03
      • Responder

      As matrizes do 139 têm tempos mínimos por áreas e tempos totais semanais permitindo apenas pequenos ajustes de acordo com a unidade de tempo letivo definido por cada escola, a nova matriz tem apenas (e mesmo assim) por referencia tempos por áreas e semanas, se bem que apenas há a obrigatoriedade de cumprir o tempo total resultante da multiplicação do número de minutos semanais pelo número de semanas letivas. Todos os outros valores são meras referencias. Cuidado que esta matriz apenas tem aplicabilidade nos anos iniciais de ciclo e nas escola que aderiram, as que não aderiram (por opção) ficam a ver a caravana.

    • João on 5 de Julho de 2017 at 23:00
    • Responder

    Eu sou objector de consciência em relação à eutanásia.
    Sendo este plano obviamente a eutanásia da Escola Pública, como posso exercer, legalmente, esse meu direito de não praticar a eutanásia, no caso presente a eutanásia da Escola Pública?… Quantos de nós somos contra a Eutanásia da Escola Pública?…

    • Vitor on 6 de Julho de 2017 at 11:13
    • Responder

    Tenho uma dúvida.
    Este despacho e plano curricular é para ser aplicado já (em 1017/18) a todas as escolas/agrupamentos ou apenas às que integram o programa experimental de autonomia e flexibilização curricular?

    • Joana Silva on 14 de Julho de 2017 at 7:02
    • Responder

    O que vai acontecer com os professores de educação tecnológica do 3.º ciclo quando isto se aplicar em todas as escolas? Alguém sabe?!


  1. […] Sacado ao Arlindo. Não tenho quaisquer dúvidas que figurará em qualquer antologia do ensino em Portugal na Época Contemporânea, a começar pelo século XX (digo eu…). […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores:

x
Gosta do Blog