Fevereiro 2017 archive

Livrai-nos, Senhor, dos “Humanistas”

Por aqui nO Meu Quintal.

Boa leitura.

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2017/02/livrai-nos-senhor-dos-humanistas/

César Paulo da Associação Nacional dos Professores Contratados na RTP

O Presidente da República promulgou o diploma que permite a contratação de três mil e 200 professores ainda precários no próximo ano letivo.
Três mil entram num concurso extraordinário de vinculação. Os restantes por força da lei geral de trabalho, cuja norma
Para a Associação Nacional dos Professores Contratados “Temos um modelo que pela primeira vez tem critérios objetivos”, que no entanto afirma César Paulo, “é ainda insuficiente para resolver os problemas”.

Quem tiver mais de 12 anos de serviço e cinco contratos nos últimos seis anos pode deixar de ser precário e passar aos quadros do ministério da Educação.

O Presidente da República lembra que nem todos nestas condições terão acesso a uma vaga. Abrem no entanto três mil para vinculação extraordinária. As admissões seguirão a lista de graduação.

“E compreensível que o Presidente o diga, mas é bom lembrar que estes professores têm 10, 15 e 20 anos de serviço”, diz César Paulo que reafirma o objetivo da Associação nacional de Professores Contratados que passa por “no prazo máximo de 3 a 5 anos vincular ao Estado todos os professores com mais de dez anos de serviço na escola pública”.

O novo modelo permite que quer professores do ensino público, quer do ensino particular e cooperativo concorram a estas novas vagas de vinculação em igualdade de circunstâncias. A Associação Nacional de Professores Contratados está terminantemente contra o principio.

No Jornal 2 César Paulo afirmou que “são carreiras que se regem por princípios totalmente diferentes. No ensino privado e cooperativo os professores acedem aos lugares por convite, no ensino público há uma lista graduada que condiciona as possibilidades de colocação. Não aceitamos, que ainda que transitoriamente (dois anos) os professores do privado se possam candidatar às vagas abertas (extraordinariamente) no público”.

O diploma agora promulgado por Marcelo Rebelo de Sousa reduz também o número de anos necessários para aceder, em condições normais, a um contrato sem termo.

São agora necessários apenas três renovações de contrato a tempo inteiro ou quatro contratos nestas condições (até agora eram quatro renovações ou cinco contratos) para que seja gerada automaticamente uma vaga permanente para esse professor nos quadros do ministério.

No Jornal 2 César Paulo lembra que este mecanismo tem vindo a perder capacidade de resolver situações já que basta que um professor tenha estado um único dia sem contrato durante esse período para que a vinculação não aconteça.

O responsável pela Associação Nacional dos Professores Contratados lembra que estas situações não dependem do professor, mas da estrutura burocrática do próprio ministério.

Esta norma, que decorre da lei-geral de trabalho, abrangeu este ano letivo uma centena de professores. Para o próximo o ministério admite que sejam cerca de 200.

No corrente ano escolar mais de 7300 professores foram contratados nos concursos de colocação inicial. O número cresceu substancialmente face ao ano anterior o que os sindicatos consideraram um mau sinal.

É que as quinhentas vagas adicionais postas a concurso este ano letivo correspondem, segundo a FENPROF, a outros tantos professores que se aposentaram. “houve uma substituição de quinhentos lugares do quadro por quinhentas vagas precárias”, afirmou Mário Nogueira.

Tiago Brandão Rodrigues, o ministro da educação, garante que a tutela está de facto a lutar contra a precarização da docência e que o concurso extraordinário de vinculação é disso mesmo exemplo.

Segundo o relatório de que fez o levantamento dos precários ao serviço do Estado, foram contabilizados mais de 20 mil no ministério da educação.

A evolução da taxa de natalidade dita um decréscimo muito acentuado do número de crianças e jovens que chegam todos os anos às escolas portuguesas.

O Norte e o Centro do país são as zonas onde a procura mais está a diminuir. Apenas a região de Lisboa parece ter mais alunos a entrar para o sistema de ensino.

 

 

 

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2017/02/cesar-paulo-da-associacao-nacional-dos-professores-contratados-na-rtp/

Aposta Para Hoje

Seguir:
arlindovsky
Seguir:

Latest posts by arlindovsky (see all)

Em repetição da chave de sexta-feira passada.

Bom Carnaval.

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2017/02/aposta-para-hoje-126/

Marcelo Promulgou o diploma de concursos, mas com ressalvas…

 

Marcelo Rebelo de Sousa promulgou o diploma de concursos, mas deixou ressalvas. Entre elas que seria “melhor tratar em diploma próprio o concurso extraordinário” e “não deixar para Portaria” e chama a atenção para a redução da taxa de natalidade…

Fica a parte do comunicado da Presidência da República referente ao diploma:

 

1. A contratação de professores pelo Estado – e portanto a serem pagos pelo contribuinte através do Orçamento do Estado, que não pode assegurar o emprego de todos – tem de tomar em conta a evolução da natalidade e uma maior eficiência na gestão da rede escolar, evitando redundâncias e ineficiências.
2. Deve também assegurar a qualidade do ensino público, bem como uma justa transição de professores que asseguram ou asseguraram o ensino privado contratualizado.
3. Melhor seria tratar em diploma próprio o concurso extraordinário e não deixar para Portaria tão lata densificação normativa.
4. Atendendo, contudo, ao equilíbrio atingido em matéria tão sensível, o Presidente da República promulgou o Diploma que altera o regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente para os estabelecimentos públicos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário na dependência do Ministério da Educação.

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2017/02/marcelo-promulgou-o-diploma-de-concursos-mas-com-ressalvas/

Por Outros Carnavais

Seguir:
arlindovsky
Seguir:

Latest posts by arlindovsky (see all)

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2017/02/por-outros-carnavais/

Divulgação – A Escola que temos e a Escola que queremos – Rui Lima

Todos: pais, professores e alunos se queixam do sistema atual de ensino.

Os pais não querem que a escola seja uma fábrica que formate os filhos e os transforme em autómatos desajustados do mundo em que vivem. Exigem salas de aula com menos alunos, menos trabalhos de casa, um ensino mais criativo. Os alunos acham a escola aborrecida, pouco estimulante, separada da realidade tecnológica e do mundo em que vivem. Professores sentem-se desmotivados, presos às metas curriculares obrigatórias, ao sistema de avaliação por notas, à falta de tempo para trabalhar, não tendo possibilidade nem espaço para arriscar.

Rui Lima, professor do ensino básico, considerado pela Microsoft um dos 18 professores mais inovadores do mundo, reflete sobre todos estes temas em debate na praça pública e garante que não precisamos de ir lá fora para vermos casos de sucesso. Em Portugal já há professores a pensar fora da caixa, a romper com as práticas enraizadas, a arriscar novas abordagens que incentivam o risco e a experimentação, alunos motivados que pintam o céu de amarelo às bolinhas rosa” e que apesar de não conseguirem o sucesso nas “disciplinas nucleares” (seja lá isso o que for) possuem qualidades incríveis noutras áreas. Escolas inovadoras, que estimulam a curiosidade e que se transformaram em autênticos espaços de descoberta de talentos.

LANÇAMENTO 9 MARÇO 18H30 FNAC OEIRAS PARQUE

À venda a partir de: 2 março 2017

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2017/02/divulgacao-a-escola-que-temos-e-a-escola-que-queremos-rui-lima/

CARNAVAL

O desfile decorre sob os auspícios de um dia de sol.
Os grupos sucedem-se com a luminosidade sobre os ombros, incrustada nas lantejoulas e purpurinas, nas cabeleiras acrílicas, nos sintéticos tecidos moles, acabados de estrear. Ao redor, uma turba de pais e familiares, uivando e obturando de êxtase e felicidade, acenam freneticamente.
Vejo passar os pókemons, as Princesas da Disney, Ladybugs, piratas e palhaços coloridos.
No entanto, vou observando o rosto das crianças, por entre a guarda de honra da multidão circundante. Espantada, vislumbro infantis frontes cerradas, faces rubras de desinteresse, irritação clara de descontentamento e enfado.
À minha memória surge, então, como um raio tempestuoso, uma memória há muito oculta, dos meus próprios tempos de gaiata. As máscaras eram um luxo, era o Carnaval muito antes de existirem lojas do chinês ou dos 300. A televisão tinha apenas 2 canais, em inúmeros lares, a preto e branco, e a diversão pura passava pelas telenovelas brasileiras, os jogos sem fronteiras, o festival da canção, a feira popular, os passeios de domingo que pediam roupa a preceito, por vezes ainda exalando o mofo dos fundo dos armários.
Ser pequena era a expetativa de um mundo de possibilidades e não as possibilidades de um mundo na nossa mão.
E o Carnaval era o momento em que todas as pequenas dimensões ao nosso redor se entretelavam, se tornavam quase possíveis.
Todos os anos eu pedia uma máscara diferente a meus pais. Todos os anos a resposta era a mesma, aviltando o desperdício de gastar tanto dinheiro só por um dia. E todos os anos minha mãe descia as escadas, batia à porta da solícita vizinha que, gentilmente, emprestava o vestido de espanhola que as filhas, agora adultas, tinham desprezado numa velhinha caixa de sapatos.
Com displicência e frustração, lá ia eu composta para a escola com um conjunto gasto de horríveis castanholas e um par de chinelas negras de salto meio alto, cobiçando as minhotas, as chinesas e, até, os cowboys.
Detestava umbilicalmente aquele traje vermelho coçado pelo tempo. Um ódio visceral que me fazia odiar o Carnaval por saber que, lá em casa, ninguém gastaria um escudo para que eu desfilasse com outra fatiota que não aquela, emprestada.

O Carnaval era um luxo, não uma necessidade ou um benefício adquirido por usucapião.
Contudo, tive de esperar diligentemente que a bainha que vinha até aos pés me chegasse ao joelho e que os cotovelos soçobrassem à renda. Só então consegui a pequena vitória de me ser prometido novo fato para o ano seguinte.
Um dia, pelo correio, uma emigrada tia, distante e desconhecida, ofereceu-me aquele que fora, talvez, o presente mais ansiado da minha ainda jovem vida e que me permitiria ir à escola e desfilar no Carnaval com o peito feito de orgulho: um vistoso vestido de princesa. O tecido de cetim azul cerúleo, decorado com linhas de lantejoulas fulgurantes, tule de teia e pérolas postiças desenhando o peito, multiplicavam o encanto.
O meu entusiasmo ampliou-se na expetativa da ansiada celebração. Contudo, no dia seguinte, depois do orgulhoso percurso para a escola, algo inusitado e terrível ocorreu. Sentada na carteira, insuflada pelos folhos e pelos tules, desmultiplicada pela rodinha acetinada, ergui-me do meu assento para seguir o cortejo. Mas, uma feroz e inusitada farpa, juro que regurgitada de propósito das entranhas do diabo da cadeira, prendeu-me o tule, o cetim e, numa dentada lancinante, rasgou-me, para sempre, a saia ao meio e o orgulho.
Depois disso, acabou-se o Carnaval, foi o vestido para o lixo e nunca mais me mascarei.
Volto a observar os garotos das fatiotas sintéticas cintilantes que prosseguem a marcha, arrastando nos pequenos pés confetis, palmas robustas e baba de avós embevecidas. O seu rosto impassível e indiferente, quase de um tédio primaveril, ignora tempos em que, de facto, a oportunidade de desfilar numa rua era, para inúmeras crianças, um pequeno luxo. No ano vindouro, renovarão o trajamento, desfilarão, talvez, com renovada displicência, enquanto os adultos regurgitarão eufóricos urras à sua passagem, invejando, todos eles, ter tido um momento como aquele nas suas vidas.

Mais atrás observo, porém, os mais pequeninos, todos numa fila de mãos dadas, pequeninas abelhas feitas de material reciclado: sorriem com os olhos tinindo de luz.
Sinto-me subitamente embevecida com a simplicidade das coisas palpáveis. Por vezes, complicamos tanto a vida onde ela não tem complicação nenhuma… Memórias e sonhos nebulosos que não levam a parte alguma.
A felicidade, sábia e fugaz, sabe esconder-se certeira em momentos inesperados.

Talvez o Carnaval seja apenas uma desculpa para lhe podermos espreitar o rosto feito de sol.

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2017/02/carnaval/

Divulgação – PAIS E PROFESSORES À BEIRA DE UM ATAQUE DE NERVOS

PAIS E PROFESSORES À BEIRA DE UM ATAQUE DE NERVOS

(porque o melhor do mundo – nem sempre – são as crianças…) 

Parentalidade – Sucesso Educativo  – Inquietações…e  SOLUÇÕES !

 

O CENFIPE – Centro de Formação e Inovação dos Profissionais de Educação das escolas do Alto Lima e Paredes de Coura, mobilizando vários parceiros – organiza em 2017 mais um evento marcante no campo da Educação. Trata-se de um Ciclo de Conferências que numa primeira fase (2017) será realizado nos Concelhos de Ponte de Lima (25 de Março) e de Arcos de Valdevez (27 de Maio) e já em 2018 em Paredes de Coura e Ponte da Barca.

No presente Ciclo foram convidados especialistas de diferentes áreas para discutir questões centrais inerentes à parentalidade positiva, bem como,  ao sucesso educativo e ao papel da escola : Álvaro Laborinho Lúcio, Paulo Flor (PSP), Alexandre Quintanilha, Renato Paiva, Cristina Valente, Alexandre Castro Caldas, Jorge Pina, Vítor Paulo Pereira, Jorge Costa (Secretário de Estado), Jorge Rio Cardoso, Adelino Calado, Helena Canhão, Carlos Neto, Rute Sousa Vasco, Adriano Moreira e os Jornalistas Carlos Daniel (RTP) , João Fernando Ramos (RTP),  Júlio Magalhães (Porto Canal) e Ana Guedes (Porto Canal)

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2017/02/divulgacao-pais-e-professores-a-beira-de-um-ataque-de-nervos/

Um Bom Carnaval

Seguir:
arlindovsky
Seguir:

Latest posts by arlindovsky (see all)

Sempre foi um sonho meu conhecer ao vivo o carnaval de Veneza.

E os sonhos são para se cumprir.

Um bom carnaval a todos e onde quer que estejam, divirtam-se!


Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2017/02/um-bom-carnaval-3/

Reposta a Contagem das Faltas Por Doença

Seguir:
arlindovsky
Seguir:

Latest posts by arlindovsky (see all)

 

Download do documento (PDF, 2.82MB)

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2017/02/reposta-a-contagem-das-faltas-por-doenca/

Load more

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores:

x
Gosta do Blog