«

»

Jun 25 2016

Imprimir Artigo

Calendário Escolar 2016/2017

Despacho n.º 8294-A/2016 – Diário da República n.º 120/2016, 1º Suplemento, Série II de 2016-06-24

 

 

Educação – Gabinetes da Secretária de Estado Adjunta e da Educação e do Secretário de Estado da Educação

 

Determina a aprovação dos calendários, para o ano letivo de 2016-2017, dos estabelecimentos públicos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, dos estabelecimentos particulares de ensino especial, bem como o calendário de provas e exames dos ensinos básico e secundário

 

 

calendario escolar

 

Pré-Escolar

 

O início das atividades educativas com crianças nos estabelecimentos de educação pré-escolar e na intervenção precoce é definido tendo por referência o constante do Anexo I ao presente despacho, do qual faz parte integrante, sendo o termo a 30 de junho de 2017.

 

 

provas aferição

 

provas finais

 

equivalencia

 

datas exame

 

equiv sec

 

 

 

Seguir:
Seguir:

Latest posts by arlindovsky (see all)

Comentários

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2016/06/calendario-escolar-20162017/

  • Agnelo Figueiredo

    Que ano tão grande!

    • Silviacon

      Deve ser a resposta ao tamanho do currículo: currículo grande, ano grande.

    • :-)

      Este é grande…
      Relembro o calendário escolar 2002/2003, do ME de David Justino – PSD

      – Iniciou-se a 16 de setembro
      – Final 3º Período – A partir de 13 de Junho para o 12º ano e de 27 de Junho para os restantes anos

      A Educação pré escolar iniciou-se entre 11 e 16 set e prolongou-se a até julho (11 a 16 julho)

  • complemento oblíquo

    Vai haver dificuldade de, nas escolas secundárias de média e grande dimensão, encaixar as reuniões de final de 3º período, devido à coincidência temporal com s exames.

  • coeh

    “Tanto o pré-escolar se queixou de trabalhar muito mais tempo que o 1º ciclo que agora a diferença é de apenas 7 dias a mais.”
    Grande conquista! A frase é de alguém com responsabilidades sindicais. Assim ainda ficam sem sócios do 1º ciclo.
    https://oduilio.wordpress.com/2016/06/25/para-o-1o-ciclo-e-sempre-possivel-mais-nao-se-mexem/


    • Só pretendia mostrar que muitas vezes a inveja de uns acaba por prejudicar todos. Mas admito que possam querer fazer leituras diferentes e tirei isso.

      • :-)

        INVEJA?
        Arlindo, termo LAMENTÁVEL!

        Reclamar por um horário e calendário comum que deixe de obrigar as crianças da EPE ficarem entregues a outras pessoas que não educadoras para que estas se reúnam com o 1ºCEB nas avaliações do 1º e 2º período é considerada INVEJA?
        Consideras INVEJA que alguém exponha ideias?
        Genericamente, consideras perigoso que um país que tenha um tratamento discriminatório de cidadãos comparativamente a outros e isso seja destacado/denunciado por quem sofre as consequências possa ser incriminado por esses tratamentos se alargarem a outros países?
        Colocas o ónus da culpa em quem se sente prejudicado e não em quem agrava o problema e o generaliza?
        Pelo teu princípio, o sindicalista deixa de lutar, não vá a luta agravar a situação dos restante!

        • sandra

          Ainda bem que fala de discriminação, pois no ensino não há outra coisa. E acho que esse tema devia ser debatido no seio sindical.
          No entanto, penso que não se pode exigir igualdade laboral quando as realidades são muito diferentes como o que acontece com os diferentes ciclos.
          Agora, quando as realidades são idênticas e o tratamento é distinto, aí sim podemos e devemos falar de discriminação.
          Discriminação entre efetivos e contratados (vencimento, reduções, saúde e até volume de serviço…)
          Atualmente, a discriminação passa também entre contratados das escolas privadas que ultrapassam os eternos contratados da escola pública. Os 1ºs com mais possibilidade de vir a trabalharem nas escolas públicas e os 2ºs de aumentarem as taxas de desemprego docente quando já devim estar efetivos.
          Portanto, parece-me urgente uma discussão profunda sobre a questão da discriminação docente.

        • :-)

          A minha opinião relaciona-se genericamente com o princípio, a triste e mesquinha ideia que “se reclamamos, outros ficarão piores devido à “inveja” dos reclamantes”

          Quanto à questão que coloca através da ideia “não se pode exigir igualdade laboral quando as realidades são muito diferentes como o que acontece com os diferentes ciclos.”, deveremos ter um “Estatuto da Carreira Mercenária Educativa: ganhar ao aluno, ao teste, à turma ao nível, ao centímetro….
          sobre isto, emiti opinião em
          http://www.arlindovsky.net/2016/06/opiniao-ana-r-martins-o-professor-do-primeiro-ciclo/#comment-2729242506

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores:

x
Gosta do Blog

Este site utiliza cookies para ajudar a disponibilizar os respetivos serviços, para personalizar anúncios e analisar o tráfego. As informações sobre a sua utilização deste site são partilhadas com a Google. Ao utilizar este site, concorda que o mesmo utilize cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Fechar