Os 13 Subcritérios Aprovados pela DGAE para a Avaliação de Desempenho

São estes os 13 subcritérios aprovados pela DGAE para o critério – Avaliação de Desempenho.

 

Podem dar a vossa opinião sobre os mesmos e começar a preparar as respostas a dar nestes subscritérios.

Amanhã coloco os subcritérios da Experiência Profissional e das Habilitações/formação complementar.
 
ADD

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2014/07/os-13-subcriterios-aprovados-pela-dgae-para-a-avaliacao-de-desempenho/

27 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Correia on 30 de Julho de 2014 at 21:40
    • Responder

    O 4º a contar do fim como foi validado na Avaliação de Desempenho?: “Habilitação Académica e Profissional” ?!?!?!?!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

      • evita peron on 30 de Julho de 2014 at 21:52
      • Responder

      é que a PACC ainda não fez a triagem! ahahahah a DGAE é tão triste….

  1. Em tempos a DGAE não tinha proibido quaisquer critérios envolvendo experiência ou a ela aludindo relativamente a escolas TEIP ou com Autonomia? É que agora fiquei baralhado! Mais uma vez não há equidade e nem igualdade de oportunidades. Viva a educação neste país!

    1. Só proibiu se fosse na escola que pedisse o horário.

    • KOMUNISTA on 30 de Julho de 2014 at 21:52
    • Responder

    Peço desculpa para ignorância mas isto serve para quê?

      • Correia on 30 de Julho de 2014 at 21:55
      • Responder

      Serve para a bolsa de contratação de escola, para as escolas TEIP e com autonomia.

        • KOMUNISTA on 30 de Julho de 2014 at 21:59
        • Responder

        Mas parte destes critérios não tinham sido já probidos em anos anteriores?

    • KOMUNISTA on 30 de Julho de 2014 at 22:02
    • Responder

    Integrar equipas x
    Trabalhar com alunos x
    Funções num agrupamento x (ok, não refere “neste agrupamento” mas…)

    • EFerreira on 30 de Julho de 2014 at 22:07
    • Responder

    Só vejo menções qualitativas… E quem teve, por exemplo, menção quantitativa para obtenção de Muito Bom e, por falta de quotas, teve obrigatoriamente um Bom?? Lá está a tal coisa… se há quotas, há, se não há, azar!

    • Correia on 30 de Julho de 2014 at 22:31
    • Responder

    O 6º critério é exatamente igual ao 8º!!!!!!!!

      • Maria on 30 de Julho de 2014 at 23:39
      • Responder

      Também não vejo nenhuma diferença entre o antepenúltimo e último.

        • Correia on 31 de Julho de 2014 at 10:41
        • Responder

        O último Maria interpreto que teve que de algum modo pertencer à equipa que elaborou o projeto TEIP, ou seja, ainda é mais específico que o antepenúltimo. Que lhe parece?

          • Maria on 1 de Agosto de 2014 at 0:38

          Se for essa a interpretação, é mais específico que o anterior e vem no final? Faz sentido (…)

    • vitor on 30 de Julho de 2014 at 23:59
    • Responder

    o9º critério a avaliação de não relevante vale mais do que o Bom. ou seja se não teve avaliação, ou se foi avaliado por outro sistema, mesmo com insuficiente terá tanto como quem teve Muito Bom e mais do que quem teve Bom? é de bradar aos céus

    • Cristina on 31 de Julho de 2014 at 0:20
    • Responder

    Podemos na Ficha de avaliação ter a menção quantitativa de 8,4 / 8,7;/8,9 (por exemplo) e nos terem atribuído a menção qualitativa de Bom. Neste caso o que se deve mencionar no subcitério da avaliação? Indicar Bom?

    • Cristina on 31 de Julho de 2014 at 0:21
    • Responder

    “subcritério”

  2. Vamos lutar contra isto. Lista nacional já. A escolas não tem capacidade técnica ao nível de recrutamento, onde estão as equipas de Rh credenciadas nas escolas ? Com pessoas formadas em recursos humanos? Quem sabe trabalhar estes critérios e subcriterios?
    São as equipas de Rh e não os srs diretores e companhia. . .
    LISTA NACIONAL para todas as escolas.

  3. Isto é mais do mesmo, vai ser a confusão total! Mais uma vez este MEC põe e dispõe! Viva os descartáveis, viva nós! Palhaçada!

  4. Não acho justo o critério: “Avaliação de desempenho do docente no ano letivo anterior”.
    Por motivos de gravidez de risco e licença de maternidade não estive na escola tempo suficiente para ser avaliada, só retornei ao serviço em junho. O critério, tal como outros, devia remeter para a última avaliação de desempenho, independentemente do ano em que realizou, tal como acontece quando preenchemos a candidatura para CI/RR.

    1. Se o tempo de serviço é relativo ao ano anterior, faz sentido que a avaliação de desempenho também o seja. Eu ainda não sei o resultado da minha avaliação deste ano, o processo está atrasado e a do ano passado só a soube em Novembro.

        • Correia on 31 de Julho de 2014 at 10:58
        • Responder

        Pela portaria 145A/2011 por acaso não faz sentido ser a última avaliação…

      • Cláudia on 31 de Julho de 2014 at 12:06
      • Responder

      Rita, estive na tua situação e a avaliação do ano anterior é “repescada”. Pelo menos, é com isso que estou a contar. Boa sorte

  5. Também não acho justo tantos critérios a fazerem referência ao ano letivo 2013/2014, ano em que tantos de nós não tiveram colocação; destas pessoas há muitos com avaliações de desempenho de muito bom nos anos anteriores e que assim vão ter zero nesta situação.

  6. Pelo que sei …. Ou isto é feito com rigor o que vai demorar imenso tempo ou de certeza vai dar azo a muitos atropelos … O melhor é listas de graduação iguais CI/RR.

  7. Como se tem verificado em muitas das ofertas de Contratação de Escola aquando da elaboração de critérios parece não existir bom senso nem capacidade de se colocar no lugar do outro, tão pouco uma cultura democrática suficientemente consolidada para proceder com justiça a tal tarefa.
    Devido a tal incapacidade ou falta de vontade é aconselhável e necessária uma leitura atenta da legislação em vigor, bem como das várias orientações respeitantes à definição de critérios de escola, aconselhando-se mesmo uma leitura atenta da Constituição da República Portuguesa, de modo a evitar atropelos à legalidade e à constituição como aqueles que têm vindo a acontecer vergonhosamente nas Contratações de Escola, de referir que já existem critérios ilegais em algumas ofertas relativas a AEC’s para o ano letivo 2014/15.

    Será possível que na Bolsa de Contratação de Escola tais ilegalidade e abusos não ocorram?

    A elaboração de critérios é apenas o primeiro passo…

    Mas tais critérios parecem não estar publicados… porque será?

  8. As referências às escolas TEIP ou com Autonomia mostram que a DGAE dá o aval completo às safadezas e cambalachos das escolhas por cunha. Mesmo que a referência não seja relativamente a uma escola em particular, os “escolhidos” podem sempre também contar a “experiência” na escola onde se “candidatam” e podem rodar entre duas escolas/agrupamentos vizinhos e voltar alegremente sempre aos amiguinhos. O “rigor” do PACCóvio cRato é apenas o rigor da rebaldaria, das cunha$, dos amigui$mo$, não é rigor nem aqui nem na cRatolândia… é o “rigor” dos que elaboram provas PACCóvias com eros cratos…

    • Maria on 31 de Julho de 2014 at 16:02
    • Responder

    Vai ajudar, nalguns casos, a evitar absurdos, mas os critérios são tantos e tão variados que vão, na mesma, dar lugar à cunhice. Discordo, em absoluto, desta história da autonomia. Esta autonomia serve, sempre, os menos graduados. Os mais graduados vão parar a cascos de rolha. Ou nem vão parar a lado nenhum… Acho muito injusto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: