Termina Hoje o Prazo

… para os professores classificadores darem resposta por mail à Drª Paula Meneses para a participação no “projeto” como classificador da PACC.

Não conheço qualquer voluntário para este “projeto” e acho que o MEC vai tomar decisões em função do número de classificadores que lhe chegarem. Se o número for bastante reduzido quase aposto que dispensará os docentes com mais de 5 anos de serviço de fazerem a prova de avaliação este ano.

E amanhã é o último dia de prazo para sair o aviso de forma a que a prova se realize dia 18 de Dezembro.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2013/11/termina-hoje-o-prazo-2/

20 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Janica Barratcha on 18 de Novembro de 2013 at 20:20
    • Responder

    Mas, a esta altura do campeonato, ainda haverá ALGUM PROFESSOR DO QUADRO com coragem para corrigir esta MERDA FEDORENTA??? Só um grande FDP o poderá fazer!!!!!! Esta prova para cair, é muito simples, basta os professores (contratados e do quadro) não quererem!!!!!!! Simples!!!!!! Porra, que colegas tão tacanhos!!!!!!!! CORAGEM CARALHO!!!!!!!!!

      • DuarteF on 19 de Novembro de 2013 at 18:14
      • Responder

      Claro que sim. Vamos ver é se os contratados também não se inscrevem para a dita cuja…

    • Conceição Albuquerque on 18 de Novembro de 2013 at 20:36
    • Responder

    AS ASNEIRAS eram escusadas…


  1. São os nervos que nos levam a explodir assim!

    • drika on 18 de Novembro de 2013 at 20:46
    • Responder

    Deus o ouça!

    • Sónia Espírito Santo on 18 de Novembro de 2013 at 20:48
    • Responder

    Infelizmente conheço voluntários…

    • Paulo Topa on 18 de Novembro de 2013 at 20:53
    • Responder

    Mantendo o assunto, mas mudando um pouco o foco: parece-vos que o atual estatuto da carreira docente é suficiente para nos obrigar a vigiar a prova? Não me parece que faça parte do conteúdo funcional dos professores vigiar provas de colegas. Eu sei que esta não é uma forma de encarar o problema de frente (não deveria haver prova, ponto final), mas a sendo complicado mudar a cabeça do Crato e estando prevista a greve, não se deveria tentar mostrar que o trabalho dos professores não pode ser vigiar provas de colegas?

    • drika on 18 de Novembro de 2013 at 21:12
    • Responder

    Colega, há que manter o nível. Essa linguagem não vale. Mas compreendo, é a revolta. Calma. De nada serve dizer palavrões. É mau para nós. Há alunos que conhecem o blog do Arlindo.

    • PL on 18 de Novembro de 2013 at 21:30
    • Responder

    Esta suposta Prova de Avaliação de Conhecimentos e Capacidades se fosse aplicada aos professores contratados, seria uma porta entreaberta, para ser aplicada logo a seguir aos professores do quadro!!!

      • Alberto on 18 de Novembro de 2013 at 22:13
      • Responder

      Concordo que é um facto óbvio, os Colegas contratados apenas servirão de lança em África, para que tal se estenda aos reais destinatários, os Colegas de quadro… Reparem que se os Colegas do quadro não aceitarem a rescisão “amigável”, o cRato arranja uma forma de, com a aplicação de uma “prova” discriminatória, tipo tese de Doutoramento em 300 questões, pois para os Colegas do quadro terá que ser mais exigente, negociar entre rescisão por incompetência, ou processo disciplinar e despedimento, tal como está na Lei Geral dos funcionários do Estado…
      Quanto à utilização de vernáculo pelo nosso Colega “Janica Barratcha”, penso que se justifica… a nossa língua á muito rica, tem quase 800 anos, pelo que não deve haver problema em a utilizar, quando se adequa, o que é claramente o caso… ele tem 101% de razão na observação óbvia que faz!!!

    • mi on 18 de Novembro de 2013 at 23:51
    • Responder

    Na minha escola todos se disponibilizaram…enfim!

      • Ana on 19 de Novembro de 2013 at 0:28
      • Responder

      Para quê? Para corrigir? Só foram convidados, meia dúzia no máximo. Quantos foram esses “todos”?

      • azevedo on 21 de Novembro de 2013 at 1:32
      • Responder

      que triste escola… felizmente existem outros onde existe pessoal com ética profissional

    • Belinha on 19 de Novembro de 2013 at 0:42
    • Responder

    Alguns colegas do quadro têm a mania de superioridade, e a correção da prova é uma maneira de se autovalorizarem, de se mostrarem competentes, muitos nem sequer têm a noção e a decência de verem que estão a prejudicar os colegas contratados, colegas como eles professores. É de uma tristeza enorme quando sei que muitos destes colegas que já trabalharam comigo aceitaram esta infame tarefa……………………. ao que chegamos, devem pensar que somos alunos. Meu Deus que tristeza…………………… que incompetência …………………. que falta de caracter destes colegas ditos do quadro.

    • salsera on 19 de Novembro de 2013 at 11:33
    • Responder

    Mi, escreva aqui, em letra bem grande e espalhe no facebook, o nome dessa escola onde diz que “todos” (os possíveis) se disponibilizaram.. Cada vez as pessoas se vendem por menos!!!!!!!!!!!

    • ana on 19 de Novembro de 2013 at 14:28
    • Responder

    Sou professora de Português e fico boquiaberta ao ler testemunhos sobre a existência de voluntários para fazer este trabalho que em tudo considero sujo. Felizmente não conheço nenhum.

    Para além do mais, não deixa de ser curioso que os colegas de Português se estejam sempre a queixar, e legitimamente, que têm uma sobrecarga de trabalho imposta pelo teor e pela transversalidade da disciplina, nomeadamente por terem de corrigir inúmeros textos escritos pelos alunos ao longo do ano, se realmente quiserem ensiná-los a escrever, e depois se prestem a estes voluntariados.

    Afinal, alguns colegas de Português andam muito ligeiros… tão ligeiros que ainda suportam ler textos de 350 palavras no curto período de descanso que terão pelo Natal, e ainda por cima classificá-los!

    Inevitavelmente, dou comigo a pensar como será o desempenho destes colegas para com os seus alunos, que tipo de trabalho e acompanhamento lhes prestam, o que (não) levam para casa para corrigir e como (não) se dedicam ao que é realmente a sua função, para se sentirem tão capazes de corresponder voluntariamente a um convite destes. É que há muita maneira de ser professor, de Português inclusive!

    Nesta altura do período, se me convidarem para corrigir 10 palavras em 100 provas, a título voluntário e a troco de vantagem nenhuma para ninguém, eu terei de contar até 10 para não mostrar o meu vasto conhecimento de calão! Ah pois é…

    Se um dia impuserem aos professores do quadro a realização de uma prova desta natureza, espero que haja um número de colegas satisfeitos e conformados, no mínimo igual ao número de voluntários que agora surgirem.

    • Ana on 19 de Novembro de 2013 at 15:31
    • Responder

    Eu não conheço ninguém do quadro que tenha aceite…mas se conhecerem, passem o trator por cima pois não são gente…são ratos do esgoto!!!

      • Maria on 19 de Novembro de 2013 at 20:34
      • Responder

      tenha aceitado, colega, não “tenha aceite”…

    • Sérgio on 19 de Novembro de 2013 at 16:46
    • Responder

    Se for o caso, nítida falta de coluna vertebral. E excesso de presunção. Felizmente, não conheço ninguém que tenha aceite.

    • zavedo on 21 de Novembro de 2013 at 1:37
    • Responder

    Deixem ficar aqui o nome das escolas ….

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores:

x
Gosta do Blog