Maré da Educação

Aqui.

2março

 

No próximo dia 2 de Março tem lugar a manifestação “Que se Lixe a Troika – O povo é quem mais ordena”. Julgamos que essa é a ocasião para que toda a comunidade educativa (professores, estudantes, auxiliares, pais) se manifeste em massa e em união com todos os sectores da sociedade atacados pela política do atual governo, pois a Escola Pública não aguenta mais despedimentos nem mais cortes.

Assim, convocamos para 30 de Janeiro, quarta-feira, uma reunião aberta a todos/as que prepare esta mobilização, a que chamaremos “Maré da Educação”.

A reunião será na associação cultural Mob (Travessa da Queimada, n.º 33 – Bairro Alto – Lisboa), pelas 21h.

Subscrevem a convocatória:

Belandina Vaz, professora contratada
João Mineiro, dirigente estudantil
Isabel Moura, professora contratada
Carlos Gomes, professor, Plataforma pela Educação
Sara Schuh, estudante do ensino secundário
Paulo Guinote, professor, autor do blogue “A Educação do meu Umbigo”
Deolinda Martin, professora, SPGL
Arlindo Ferreira, professor, autor do Blog DeAr Lindo
Inês Tavares, dirigente estudantil
António Avelãs, professor, SPGL
Laura Diogo, Artigo 74º
Sérgio Paiva, professor contratado
Beatriz Dias, professora, Movimento Escola Pública
Alexandre Pinto, professor contratado
Miguel Reis, professor desempregado

Seguir:
arlindovsky
Seguir:

Latest posts by arlindovsky (see all)

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2013/01/mare-da-educacao/

12 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Carlos on 28 de Janeiro de 2013 at 3:22
    • Responder

    Se for assim, nessa alinho . Pois, está incluída a VERDADEIRA COMUNIDADE ESCOLAR ou seja os interessados pela EDUCAÇÃO neste país: Professores contratados, Pais, Alunos, Auxiliares e outros mais que se queiram juntar … são sempre bem vindos mesmo que passem dos 40de idade. Nesta, espero que se fala de EDUCAÇÃO VERDADEIRAMENTE.

    • heras on 28 de Janeiro de 2013 at 9:38
    • Responder

    Que se lixe quem é contra a TROIKA.
    A TROIKA emprestou a 3.5%, fomos ao mercado sem a TROIKA, pagamos perto de 5%.
    Eu não sou palerma, que se lixe quem quer viver à custa dos outros. (geração mais velha em relação à mais nova)
    Pediram mais tempo, e quem vai pagar esse tempo? A geração mais nova.

      • ellece on 29 de Janeiro de 2013 at 11:59
      • Responder

      Quem o alimentou e cuidou de si até agora? Quem produziu do que usufruiu e usufrui? O seu estatuto de mais novo é vitalício?
      Há cada imbecil!!!

    • JCP on 28 de Janeiro de 2013 at 9:52
    • Responder

    Presumo que, ao apontar as baterias à geração mais velha, está a referir-se aos seus pais e/ou avós, caso tenha a felicidade de ainda os ter vivos. Se assim for, tem que começar por resolver esse problema a nível doméstico.
    …E começar a ter juízo, que é uma coisa fundamental para crescer!

    • Vitor Agostinho on 28 de Janeiro de 2013 at 10:00
    • Responder

    Concordo com a existência de um Movimento que agregue toda a comunidade escolar, como o colega Carlos refere no seu post, mas considero infeliz a ligação a um movimento que refere, “que se lixe a aTroika”. A Troika não veio para cá por iniciativa própria. Fomos nós que lhes pedimos ajuda. Sem a Troika, e por muito que isso custe a alguns, não havia dinheiro para pagar salários, pensões e subsídios. A visão simplista que a extrema esquerda coloca nas coisas, não responde a uma questão. Sem a Troika onde iam buscar dinheiro para pagar tudo o que referi? E não me venham com a cantiga do financiamento junto do BCE, porque os Estados estão impedidos de o fazer diretamente. Eu também não gosto de cá ter a Troika, mas também não gosto de olhar para trás e ver 38 anos de irresponsabilidade. A Manif de 2 de março devia ser contra os executivos que nos governaram desde 1974 e não contra os que nos emprestaram dinheiro. O camarada Arménio não gosta do “escurinho”, mas é a instituição a que pertence o “escurinho” que envia dinheiro para lhe pagar o salário!


    1. Obrigado à Troika por nos pagar os salários cada vez mais magrinhos e ter a gentileza de aceitar os juros baixinhos que lhes andamos a pagar. Afinal o único interesse deles é ajudar-nos.
      Quanto mais pobres mais mal agradecidos e invejosos dos que ficam com a parte maior do empréstimo que pagamos por desigual.

    • Fernando on 28 de Janeiro de 2013 at 10:16
    • Responder

    Completamente de acordo com o Vítor Agostinho. A Comunidade Escolar tem problemas prementes a serem endereçados mas eu estou grato à Troika por ter emprestado dinheiro aos portugueses para lhes dar uma oportunidade de resolverem os seus problemas.

      • Miriam on 30 de Janeiro de 2013 at 18:19
      • Responder

      AHAHAHAHHAHAHAHAHA!

    • sandra s. on 28 de Janeiro de 2013 at 19:57
    • Responder

    Fernando disse: “estou grato à Troika por ter emprestado dinheiro aos portugueses para lhes dar uma oportunidade de resolverem os seus problemas.” Lololololo.

    Quais portugueses? É contratado? está desempregado? vê os seus problemas resolvidos? eu vejo os problemas resolvidos dos bancos e dumas quantas PPP. Agora vir dizer que a troika veio resolver os problemas dos portugueses é um abuso e uma falta de respeito por aqueles que vivem atualmente no limiar da pobreza.

      • Fernando on 30 de Janeiro de 2013 at 18:58
      • Responder

      Sandra, embora este não seja o local próprio para uma troca de ideias esclareço que por “portugueses” me referia a todos os que estamos a viver em Portugal. Aquele financiamento foi essencial para que o governo pudesse pagar vencimentos (inclui pensões), subsídios e o habitual rateio por fornecedores.


  1. Como podemos participar? basta ir? é preciso inscrição? contem com mais 3 prof’s 10 anos serviço, 12 anos serviço e 26 anos serviço

    • Joana on 30 de Janeiro de 2013 at 15:44
    • Responder

    A troika só trouxe dinheiro a quem já o tinha. A situação de quem estava mal só piorou. Não me parece que estes cidadãos que defendem a troika alguma vez tenham vivido dificuldades financeiras para poderem estar cegos a este ponto que não vêem a real precaridade que se instalou em Portugal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores:

x
Gosta do Blog