«

»

Ago 21 2012

Imprimir Artigo

Alguns Subcritérios da Semana

Ao contrário do ano passado em que a continuidade de funções na escola era um dos critérios mais usados para as contratações de escola verifica-se nas poucas ofertas que vão saindo o afastamento desse critério como elemento para a escolha de um candidato.

Não é estranho que assim seja visto que o peso da graduação profissional assume-se como 50% para a seleção do candidato e apenas os 5 melhor graduados serão chamados para passar à fase seguinte de forma a utilizar-se os subcritérios definidos pela escola. Será quase impossível que as escolas possam determinar a continuidade de funções havendo uma pimeira seleção que é determinada pela graduação, no entanto ainda surgem subcritérios que fazem uma tentativa de manter o poder do diretor na escolha dos seus professores.

Acho que alguns ainda não perceberam muito bem que será inútil definir como subcritério a maturidade profissonal do candidato ou o número de lovores e recomendações que o docente teve quando terão apenas um conjunto de 5 docentes para escolher.

Veremos quando chegar à fase de seleção do candidato se as “tranches sucessivas” serão usadas para passarem aos cinco candidatos seguintes na tentativa de ser escolhido o candidato à medida da escola dos subcritéros.

Fico a aguardar a seleção dos primeiros candidatos para perceber se efetivamente alguma coisa melhorou ou se irá manter-se a falta de transparência do ano passado.

 

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2012/08/alguns-subcriterios-da-semana/

  • isa
    Durante cinco anos lectivos, muitos usaram e abusaram do poder ultrapassando os limites legais. Depois de muita contestação da nossa parte conseguiu-se chegar a uma legislação que, não sendo perfeita, vai dificultar as colocações por conveniência. Assim, penso que será nosso dever controlar as “coisas” desde o início, não permitindo injustiças.
  • http://VT Ana
    Em 2009 fiquei colocada numa Oferta de Escola! Concorri porque era dentro do meu distrito de residência, ainda que a longos quilómetros de casa. O tempo foi passando e dois meses depois telefonaram me a perguntar se aceitava o horário. Respondi que sim, apenas achei estranho que passado tanto tempo me seleccionassem. A questão era simples mas apenas mais tarde a percebi! A Escola é (era) um Território Educativo de Intervenção Prioritária, TEIP. Pouco me importou, aí fui eu, bastante contente. No meu lugar já tinham estado três pessoas que ao lidarem com alunos bastante problemáticos rescindiram o contrato! Aturei birras, faltas de educação, por diversas vezes cheguei a casa descontente e desmoralizada pois é muito difícil manter alunos que não querem estar dentro duma sala ou pouco querem saber se foi D. Afonso Henriques o primeiro Rei de Portugal! A verdade é certa, aturamos e sacrificamos tudo em prol de uma escola! Agora todos nos criticam, inclusive aqueles que rejeitaram os horários! Desculpem mas alguém tinha de o dizer!!
    • professorinha230
      Colega Ana, há de tudo em todo o lado… Trabalhei, num ano, numa escola TEIP q tinha como critério único a graduação. No ano seguinte já n fiquei lá pq houve colegas mais graduados. Essa escola era TEIP mas não tinha alunos complicados, somente estava inseridos num meio desfavorecido mas os meus alunos eram educados. Concordo com esta nova legislação para selecção dos candidatos em oferta de escola. Acho que devemos ser colocados pela nossa graduação profissional e não por cunha ou por já lá ter leccionado. Houveram colegas com graduação de 12 e 13 a serem colocados em vagas onde concorriam colegas com 18 ou 19, só porque eram conhecidos de algum membro da direcção. Acha isso correto? eu NÃO!!! Colegas, TEMOS QUE ESTAR ATENTOS!!! AS ESCOLAS AGORA NÃO PODEM COLOCAR QUEM QUEREM…
      • http://VT Ana
        Concordo em absoluto consigo quando fala no fator cunha! Aliás o ano passado e devido a isso houve ridículos critérios como por exemplo – “Ter o parecer da Diretora”. Surreal! Concordo!
        Na minha escola isso não aconteceu, contaram os anos de serviço naquele Agrupamento bem como as Formações que cada candidato possuia. A Classificação Profissional foi também um critério!
        Garanto lhe que aqui não houve em nenhum horário qualquer cunha, houve sim renovação de muitos! A Direção ficou “cansada” em 2009 da constante mudança de professores resultante da constante rejeição!Não Não se pode chamar a isto CUNHA! Chama se a isto saber com quem se pode contar e de que forma! Garanto lhe:Não é fácil estar numa TEIP!
        • I. Cruz
          Olá, Ana: dei aulas nos últimos 3 anos numa escola TEIP e é muito gratificante quando em 20 alunos conseguimos chegar a 5; gostaria de continuar nesta escola. É a primeira vez que escrevo neste blogue apesar de o consultar frequentemente mas queria dar-lhe os parabéns pelo seu comentário: toda a gente fala nas TEIP mas se calhar poucos aguentavam; como a Ana entrei pela graduação que tinha pois leciono desde 1994.
  • Vanda
    Já que não fazem recondução de uma maneira fazem de outra. Se é injusto escolherem o candidato que já lá esteve e que prestou bom desempenho também são injustas as reconduções. Por isso, quando acabarem com uma coisa acabam com a outra.
  • http://gravatar.com/isatc isteca
    Quem diz que só chamarão 5 para entrevista? Há algo que diga que só poderão ser chamados os 5 primeiros? Se assim for, acabaram então os “lugares marcados”.
    • isa
      Vai ser muito complicado para um diretor justificar que, entre os 5 primeiros candidatos, não há um suficientemente bom para ficar com lugar. É aqui que ainda reside a minha preocupação e por isso vou estar atenta. Não é o fato de uma escola ser TEIP ou não que deve dar aos diretores o direito de colocarem quem querem. Todos sabemos que há agrupamentos com essa designação onde os alunos, na sua grande maioria não são mais problemáticos do que os outros (tenho experiência em 3 TEIPs de diferentes regiões do país e nunca rescindi nenhum contrato). No entanto, num agrupamento dito normal, tive uma turma (110) que no ano letivo anterior tinha conhecido OITO titulares de turma, todos eles desistiram pois não aguentavam o mau comportamento dos alunos. Só porque eu tive a sorte de conseguir dar a volta à situação e ficar com eles um ano letivo, mereço o lugar no ano seguinte ? Não sei, porque a seguir pode ficar lá alguém que consiga fazer um trabalho superior ao meu.
  • professorinha230
    Colega isa, concordo plenamento com o que escreve. Será mto dificil um diretor justificar o pq de não encontrar nos 5 ou 10 primeiros candidatos o aquele que preencha os subcritérios, uma vez q será publicada uma lista no site da escola (como consta na legislação). Temos que estar antentos e não deixar escapar situações em que são escolhidos candidatos no lugar 100º ou 120º (por exemplo). Nestes casos, como é q o diretor vai justificar que nenhum dos 100 primeiros candidatos preenchiam os requisitos???!!! Estou aqui para ver…
    • http://gravatar.com/isatc isteca
      Penso que até 10/20 entrevistas o farão… mais que isso parece-me exagero!
  • http://VT Ana
    Colega I.Cruz, muito obrigada! Tal como a colega tive alunos aos quais infelizmente não consegui “chegar”! Mas gostaria ainda de salientar que a muitos aos quais não “cheguei” no primeiro ano, a alguns deles consegui no segundo “arrancar” já algum interesse e motivação por essa continuidade que se mantinha e que é necessária em absoluto numa escola TEIP! E tal como a colega disse poucos aguentariam como nós aguentamos, só que agora viram a outra face da moeda, o lado positivo e está tudo muito chateado!:-(
    Boa sorte e se voltar a ficar nessa escola, volte a agarrar os miúdos com unhas e dentes pois eles precisam de educadores/professores e de quem os motive e lhes dê alento e alguma confiança! Eu farei o mesmo…
  • Pingback: Pela Santa Bárbara » Blog DeAr Lindo

Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers:

Login